Terça-feira, 8 de Abril de 2014

José Arantes expõe Barroso em Chaves

A Associação de Fotografia e Gravura – LUMBUDUS leva a efeito mais uma exposição de fotografia em Chaves. Intitulada Barroso, de autoria de José Aarantes, está desde ontem patente ao público na Adega do Faustino e no Polo da UTAD/ESEC, onde continuará até ao final deste mês de abril.

 

José Arantes nasceu em Paradela de Valdozende, Terras de Bouro, no ano de 1957.

 

É um dos Associados fundadores da Associação de Fotografia e Gravura – LUMBUDUS.

 

 

José Arantes vive em Montalegre desde 1973. Diz-nos que desde essa data ficou apaixonado por Barroso. Em consequência dessa paixão, apaixonou-se pela fotografia, tendo iniciado atividade de fotógrafo amador em 1981. Para José Arantes a fotografia é uma forma de expressar a nossa maneira de ver, mas também um meio que nos permitirá recordar momentos inesquecíveis que não se repetirão. Barroso, é um paraíso dentro de outro paraíso. Ao longo de séculos as pessoas, com o seu saber, aproveitaram os recursos naturais moldando, com harmonia, a paisagem envolvente. As águas das chuvas, dos rios e regatos, foram aproveitadas com muita mestria, quer para os moinhos, quer para os lameiros.

 

 

Com os seus muros rendilhados a separar os terrenos, os lameiros são a imagem mais caraterística da região de Barroso, são a principal fonte de alimentação do gado. Felizmente ainda são cuidados, dando-nos a oportunidade de vislumbrar cenários magníficos, inalterados desde há séculos. A par das suas gentes e do património construído, a natureza selvagem é outro paraíso que se conjuga na perfeição. As quatro estações, todas elas diferentes e marcantes, desafiam a desfrutá-las, seja pela beleza das formas, pelas cores, luz ou sons, todas elas nos convidando a ficar em silêncio, apreciando tal privilégio. Na primavera, a flora é deslumbrantemente selvagem. A fauna é muita variada e com vários espécimes raros.

 

 

O inverno é agreste e simultaneamente belo. As cores outonais convidam a entrar nos bosques de carvalhos e vidoeiros, caminhando, refletindo ou colhendo cogumelos. Os inúmeros regatos e pequenos rios que descem as montanhas, convidam a subir para ver e ouvir os elementos de rara beleza que tão harmoniosamente coabitam. A Natureza presenteou-nos com uma maravilha que teremos de respeitar, protegendo a fauna, a flora, as montanhas, os bosques, rios e regatos.

 

 

publicado por Fer.Ribeiro às 23:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre nos

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. José Arantes expõe Barros...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

.tags

. todas as tags

.links

.Olhares

blogs SAPO

.subscrever feeds